Estava deitada querendo morrer quando pensei que, ao invés, eu deveria vir escrever. Muitas coisas me passaram na cabeça pra fazer, na verdade. Se cortar ou tentar se matar não foram nenhuma delas, porém. Mas eu cogitei tomar o meu remédio pra crise. Faz tanto tempo que não me sinto tão mal que achei que seria justo. E não é nenhuma vergonha tomar remédio. Mas também é interessante tentar lidar sozinha.

Hoje fazem sete dias que eu e meu namorado terminamos. Eu terminei. Eu sempre termino. Todos os relacionamentos fui eu que terminei. Não sei se isso diz mais sobre mim ou sobre meus namorados ou sobre minha maneira de lidar com relacionamentos. Todos os términos foram dolorosos, então não tem uma maneira de comparar esse com os outros, mas está doendo.

Talvez eu seja corajosa. Capaz de dar o ponto final. Fazer o necessário. Gosto de pensar que é o caso. Ninguém nunca disse outra coisa, mas eu também tenho medo de que as pessoas não terminem desse jeito, que tentem mais, e que talvez eu seja desistente ou algo do tipo... Mas eu não penso isso de verdade. É, eu não penso. Eu tenho medo que as pessoas pensem. Talvez? Acho que é esse o caso.

Meu agora ex-namorado e eu namoramos por dois anos, oito meses e doze dias. Falo com precisão assim pra quando eu ler no futuro pensar "uau, dois anos, oito meses e doze dias!". Porque eu vou esquecer. Terminamos no domingo passado. Hoje fazem seis dias. Esse namoro foi meu "recorde". Antes eu tinha namorado por um ano, dois meses e quinze dias. Ou algo assim. Acho que foi exatamente isso. É.

Geralmente, quando escrevo, escrevo de uma vez, morrendo e cuspindo meu coração no texto. Dessa vez, não é assim. Duas pessoas estão preocupadas comigo, e me mandam mensagem no Whatsapp. Minha melhor amiga e um menino que, por algum motivo, começou a se preocupar comigo desde o término. Acho que ele quer me beijar. Ele deu em cima de mim assim que falei do término, e briguei com ele, então ele se desculpou, e agora estamos conversando. Estou meio grata. Falar com ele está ajudando. Só espero que ele não esteja criando esperanças ou algo do tipo.

Por que minha vida é uma novela? Sempre que termino um relacionamento aparece alguém interessado em mim. Não sei se é assim com todo mundo. Minha melhor amiga sempre fez brincadeiras com isso. Buceta de mel e tal. Eu nem sou tão bonita. Ultimamente zero bonita, na verdade. Engordei dez quilos no último ano também – o que não ajuda na minha autoestima. Talvez seja porque eu sou legal. Ou porque jogo jogos. Ou porque as pessoas são loucas.

Enfim. Falei de diarreia com ele pra ver se ele desencana de mim. Maneiras de cortar o clima. Eu sei, eu sou fantástica. Enfim. A situação toda me tirou um pouco da tristeza do que eu comecei a falar nesse texto, então menos pior. Eu fiquei triste porque fui falar com um amigo e, na hora de dizer o nome dele, me confundi e falei o nome do meu ex. Fui assolada por uma dor devastadora. Foi horrível. Eu queria muito que términos fossem mais fáceis do que são. Mas nunca são.

Esse término foi tranquilo. Escrevi tranquilo, mas não é isso que quero dizer. Não é, como já deixei muito claro, tranquilo terminar. Nunca. Mas não houve ódio. Não houve nada. Eu amo meu ex. Mas, atualmente, é um amor muito mais voltado para a amizade do que para qualquer coisa romântica. Eu sabia que não podia continuar desse jeito e, por isso, terminei. Tentamos por muitos meses – antes desse último domingo eu tentei terminar com ele pelo menos umas quatro ou cinco vezes -, mas essa vez foi a definitiva.

Há. O menino parou de responder. O papo de merda sempre funciona. Foi a primeira vez que tentei, mas fica a dica para todos que tiverem a necessidade. Transformem sua diarreia em assunto. Ah, voltou. Pelo menos voltou rindo e não os papos meio sensuais de antes. Espero que dê para construir algo mais pelo lado da amizade do que pelo lado do "quero te pegar". Possível? Não sei. Pelo menos ele não é cis, então talvez haja uma chance.

Que bom que eu consigo me distrair ao invés de só ficar na tristeza que eu costumo ficar. Eu evoluí, de alguma maneira. Isso é tão positivo. Fico feliz. Enfim. Meu ex continuou me ligando e falando comigo todos os dias até sexta. Aí ele parou, depois que eu pedi muito. Acho que ele finalmente entendeu que eu não ia voltar e que ficar se falando só ia machucar mais nós dois. Me dá um peso no coração só de falar isso. Porque ele é maravilhoso. Um amor. Eu adoro ele. Mas tive que terminar de qualquer jeito.

Às vezes fico preocupada de ter perdido o amor da minha vida. Eu gosto do sorriso dele, da risada dele, do jeito que ele me faz rir, das piadas, do carinho, dos apelidos. "Guda", "Carinho". Ele é um amor. Quero ser amiga dele pra sempre, se possível. Espero que seja possível e não uma ilusão idiota. Mas é muito tempo. Foi muita amizade e carinho. Ele me ajudou a melhorar da depressão, a parar de me cortar. Eu fiquei com ele no hospital quando ele doou medula, apoiei ele com o problema do pai dele com bebida. Nos apoiamos nas nossas respectivas faculdades/cursos e o que quer que fosse. Ele foi meu parceiro de guerra. Quero morrer amiga dele.

Enfim. Então estou aqui. De madrugada agora. Uma semana e um dia. Oito dias. O tempo vai passando. Terminei um texto uns anos atrás, postado aqui, que dizia "Que o tempo passe". E é isso mesmo. Passa, e melhoramos. Mais uma vez eu tenho que esperar passar. Com meus amigos, com meus animes, com meus jogos, com meus livros – se eu tiver cabeça pra ler -, com meus estudos – idem – e com tudo mais que houver. Me distrair, porque somos feitos de resiliência.

Falei umas palavras hoje que gostei: "Uma runa em meu pulso, uma flecha em meu tornozelo e um livro em meu peito". Forte, não? Achei legal. Saiu sem querer, mas gostei. Mais uma vez, que o tempo passe... Que a culpa de ter terminado passe... Que eu consiga entender emocionalmente e racionalmente, de todas as maneiras possíveis, que está tudo bem. Não acho que tenha sido a decisão errada de verdade. Tenho medo, mas sei que não foi. Sei que era necessário. Conheço meus sentimentos melhor do que ninguém.

Tudo que tenho a dizer para o meu ex é: Obrigada. Obrigada por ter sido o melhor namorado do mundo. Por ter sido tão compreensivo. Por ter sido tão amigo. Por ter ficado comigo e me apoiado quando tentei me matar, quando fiz merda feia, quando estava triste e em crise e falando besteiras. Por ter aguentado o meu ciúme enquanto eu ia à terapia para melhorar dele – agora eu não sinto mais ciúmes. Agora eu não me corto mais. Ele tem uma grande parte nisso. Meu ex foi incrível.

Obrigada, obrigada por fazer curativos quando eu me cortava. Por me fazer carinho. Por correr de bicicleta ou a pé na farmácia pra comprar remédios. Por cuidar de mim sempre. Por contar comigo. Por eu poder contar com você. Ninguém foi meu parceiro desse jeito, nunca. Eu realmente sinto que nosso namoro transcendeu muita coisa. Éramos um casal lindo. Nosso namoro foi incrível. Absolutamente incrível. Mesmo com as partes ruins, que existiram, é claro, foi incrível.

Esse texto precisa ficar secreto, então não quero dizer seu nome. Queria poder dizer. Chamar você de "ex" não é certo. Você é o meu coração ainda. Mas obrigada. Obrigada, mesmo que você nunca vá ler esse texto. Obrigada, obrigada, obrigada.

E... E adeus.

Foi a hora de dizer adeus.

Eu amo você, e amei você, e quero que você esteja pra sempre na minha vida. Mas adeus. Adeus por agora, se acabarmos ficando juntos algum dia. Ou adeus para sempre, se não ficarmos juntos. Fique bem. Por favor, fique bem. Eu quero você feliz. Eu quero você feliz. Eu quero você estupendamente feliz sem mim.

Uma vez você me salvou me dizendo isso, e agora eu digo pra você:

Você é a minha luz.

"Você é a luz da minha vida", você disse certa vez. E você definitivamente foi a luz da minha. Só penso em você com carinho. Com amor. Com cuidado. Só tenho sensações boas pensando em você. Dói ter terminado, mas escrevo este texto sem chorar. Porque é tão saudável. Como as coisas foram. A minha decisão, que eu acredito ser a certa.

Você me ensinou a ser saudável.

Você me fez saudável.

Você ajudou em cada processo, em cada detalhe.

Obrigada, obrigada, obrigada. Obrigada, "meu gudo". Obrigada por existir. Obrigada por entrar na minha vida. Obrigada por ter namorado comigo. Obrigada, obrigada, obrigada, obrigada, obrigada. Você significou o mundo pra mim. Eu queria poder te dizer todas essas coisas, mas tudo que isso lhe faria seria querer fazer voltar. Então eu disse, mas de maneira menos esperançosa e emocionada. Porque eu tinha que me manter forte.

Haaaaahhhh.

Vai ficar tudo bem.

Boa noite.